COMENTÁRIOS



De que maneira não confundir imaginário e realidade? Se o que imaginamos está propenso a tornar-se real? O enigma que propicia essa transmutação deve ser visto como uma ponte e não como um passe de mágica. Esse é o desafio proposto na leitura de Ordem dos Fantasmas, um rito de passagem. Entregar-se ao compasso e ao esquadro do desconhecido. A leitura não faz sentido se não vem questionar, se não vem afrontar. O essencial, para ler esse livro, é a intensidade da entrega. Fernanda J. de Lourdes

Em uma época consumista, descartável e imediatista, Ordem dos Fantasmas me parece deslocado, mas essa é sua função; servir de contraponto à idéia de massa uniforme pregada pela globalização. A leitura desse livro fornece uma série de mecanismos propulsores ao leitor interessado nos porquês do instrumento simbólico e no oculto das imagens sonoras e visuais que nos cercam! Letícia Baldissera

Para Sterne, leitor e autor participam de um jogo de imaginação. Se ao leitor fosse dada a história toda, e não lhe fosse deixado nada para sua imaginação o resultado seria o tédio. Portanto, o texto literário deve ser concebido de tal forma que envolva a imaginação do leitor, pois a leitura só é um prazer quando é ativa e criativa. Em Ordem dos Fantasmas essa leitura é enfatizada como atividade, tanto que me vi estimulado a descobrir novos autores e livros citados para completar o que estava implícito. Assistindo televisão, lendo jornal ou simplesmente conversando com amigos, surgirá algo relacionado a esse livro curioso, gostoso, infantil, profundo e coloquial.Francisco Varela

A cadeia de associações realizadas pelo autor é muito rica em simbolismo. Jung já falava dos poderes da faculdade mito poética da mente humana que o autor criativamente utiliza em “Ordem dos Fantasmas”. Paulo Velásquez – M. Rosa-Cruz

A versão dada a “Caverna de Platão” é maravilhosa. Ilustra perfeitamente como somos expectadores passivos do real. Absorvendo informações deturpadas e mensagens tendenciosas. “Ouça com olhos e veja com os ouvidos”, o autor tem razão, precisamos ver o que as palavras dizem e ouvir o que as imagens falam. Rosileine Carvalho

disposição dos personagens, combinações de palavras, horas escolhidas em Ordem dos Fantasmas são intercâmbios simplificados para ilustrar o processo de interpretação de símbolos. Não se trata de um desejo deliberado de mistério. Pois, a consciência dupla não é passível de descrição na linguagem habitual e linear. Alfredo Tardelli

Cara! Não tenho duvida que Leonardo da Vinci falou com você, afinal ninguém mais poderia fazer revelações tão esclarecedoras sobre a Última Ceia e a Mona Lisa! São fantásticas, parabéns. Seu o livro é uma ótima experiência de leitura! Ou melhor, leituras! Matheus Girardi

Sabemos que uma boa leitura implica em compreender a razão e a emoção do seu escrito. Atento as atuais possibilidades tecnológicas para responder a essas necessidades, o autor está de parabéns pelo “Blog”. Carlos Cemim

Dan Brown deveria ler Ordem dos Fantasmas e aprender um pouco sobre ler símbolos. Tudo haver a cabala na ceia de Leonardo da Vinci e a identidade da Mona Lisa. Alias, estou lendo 451, estou adorando, e já coloquei outros títulos mencionados na minha lista. 
Lucio Medeiros - I.E.E. Cristóvão de Mendonza

Ordem dos Fantasmas proporciona uma pluralidade de leituras. Uma rápida passagem no blog é possível constatar a experiência de múltiplas interpretações. Cada leitor, no momento da leitura, acionará uma série de unidades significativas que terão relação com sua profissão, com a sua formação social, seu nível de maturidade, sua relação com os meios de comunicação e com livros. Ao postar no blog essas leituras, o autor é fiel, as suas palavras: “as favas com clássicos e eruditos. Os grandes gênios ficariam orgulhosos por estarem tão próximos do povo, nas bancas, supermercados e shoppings...”. Ao postar essas leituras, ele não deseja determinar a importância de cada uma ou satisfazer sua vaidade. Esse texto que agora escrevo é fruto da leitura dessas leituras. Ao postá-las, o autor está dizendo que todas as leituras, opiniões e criticas devem ser respeitadas em sua singularidade. Belo exemplo! 
Roberto Calgnotto

Neste livro autor exercita a “prática da liberdade”, como desejava Paulo Freire. Um sujeito liberto esta preparado para ler as realidades do mundo e interpretar as mentiras da mídia, dos governos e da pedagogia maniqueísta.  Profª Marta Saretta

Que cada escritor faça a diferença no ato de escrever. Um Livro sem conteúdo para pensar e discordar, é vazio de sentido prático e existencial. Ordem dos Fantasmas é ótimo! Carolina Semiotto


Em Ordem dos Fantasmas fica evidente a relevância dada por Carl Gustav Jung ao fantasma constituído ao redor da cena primitiva, quer seja para a compreensão de todos os sintomas do analisante, quer seja para o desenvolvimento de todo o percurso analítico. O autor esta de parabéns. Perfeita a construção da síntese clínica e surpreendente a leitura dos símbolos nas obras de Leonardo da VinciDr. Felipe Giron

O diálogo travado na cozinha do capitulo “Contato”, atesta que Eucajus nos serviu um texto com temperos existenciais sem medo do estranho! Quem experimenta um prato exótico pela primeira vez, deve primeiramente saborear a combinação e só depois tentar reconhecer e distinguir os ingredientes que a compõe. Eu adorei, afinal, gosto não se discute! Paladar, sim! Ana Paula Rangel

Cara, esse livro é muito tri! Li pelo lance da Cabala, e pra minha surpresa, tem uma pá de coisa legal! 
Vander Mussói – I.E.E. Cristóvão de Mendonza


Parabéns pela construção do quadro clínico! Roger Batiste reconhece, "o problema místico não é simplesmente patológico e sim um problema psicológico e um problema metafísico". Surprendente a leitura das obras de Leonardo da Vinci! Dr. Felipe Camasolla

Ordem dos Fantasmas me proporcionou uma experiência inédita e inesquecível. Pela primeira vez em anos, vi meus alunos excitados com uma leitura e naturalmente motivados a desenvolver as atividades relacionadas com o texto. Sem duvida a ousadia, a criatividade, a linguagem e a simplicidade é o grande trunfo do autor.  Profª Jorgina V. Salles

Ordem dos Fantasmas é demais! Baixei para ver o lance da Cabala na Última Ceia e, acabei descobrindo uma pá de coisa que não via! O livro é muito legal! Adorei. Paolo de Souza Lima


O estigma social revela a dificuldade das sociedades em lidar com os idosos. Uma dificuldade perpetuada ao longo das gerações que poderia ser modificada através da educação. Parabéns ao autor por abordar o tema da velhice de forma tão criativa e profunda em um dos contos. Precisamos enfrentar os fantasmas sociais. Prof. Alberi Santos

Cada obra de arte é sui generis, e deve ser respeitada e julgada segundo os critérios que ela mesma impõe. Em particular, são inaceitáveis os diagnósticos e as receitas baseados em tendências literárias. Além disso, não se poderia compreender o caráter experimental de uma obra a partir de semelhantes comparações. Convém contemplar a probabilidade de que o autor leve a sério a máxima que repete diversas vezes, ao longo do texto: veja com os ouvidos e ouça com os olhos! Julgo cegueira taxar de Literalice um estilo que admite amplas passagens ensaísticas; que relativiza algumas posições intelectuais, inclusive as do narrador; que possui a coragem de enfrentar conceitos gramáticos e ortográficos; que realiza uma leitura inédita das obras de Leonardo da Vinci. Felix F. Xavier

Ordem dos Fantasmas instiga uma leitura entre a ilusão de realidade e a função poética da palavra, entre o objeto e o nome do objeto, entre o tempo imaginário, entre o dizer e o não dizer, entre o ideal e a Utopia. Uma narrativa engajada que não cai na panfletaria. Adorei! XAMUSKA

Ordem dos Fantasmas tem a ver com a aventura da leitura; com suas estratégias; com seus processos; com seus jogos de significação. Logo, a estética dessa narrativa converte-se em metalinguagem que oculta à própria atividade lúdica da leitura. Paulo Perin